Evento cultural mobiliza população do Itaim Paulista pela permanência de rua de lazer

Daniele Amorim
Especial para a CLN

 

                                                                                                                         Carlos de Souza (Zumba Rasta)/Colaboração

Segundo organizadores evento reuniu cerca de 300 pessoas
 

O coletivo Cultural "Romano Sound System" realizou no último domingo (12) evento de música reggae no bar Pedra Pequena para divulgar a resistência da comunidade no fechamento da rua de lazer que fica em frente a Casa de Cultura do Itaim Paulista, zona leste da cidade.  

A rua Barão de Alagoas, onde aconteceu o evento, é ponto de encontro para diversos coletivos a região, porém, após uma modificação da Lei que regulamenta as ruas de lazer na cidade, fez com que o local ficasse excluído da nova regulamentação. Leia aqui.

No final do ano passado, a Prefeitura publicou o decreto 55.684/14 que determina novas regras para a regulamentação das ruas, no qual, a via não poderá ser passagem de ônibus ou ter em sua extensão comércios, igrejas ou hospitais. A rua reivindicada pelo coletivo é passagem de diversas linhas de ônibus, além de conter comércios em seu trajeto.

Conheça aqui o Decreto completo.

                                                                                                                                            Vander Ramos/CLN

A rua Barão de Alagoas é palco para o Show Musical de encerramento
dos festejos de aniversário do bairro

 

Por conta das novas regras, o produtor musical e músico, Robson Gomes dos Santos,35, criou uma petição online no portal da avaaz.org solicitando a permanência da rua de lazer: "A Rua de Lazer já foi palco de festivais culturais, saraus, campeonatos esportivos [...] Não podemos permitir que esse espaço nos seja tirado. " diz o manifesto no site assinado por Robson G..

Segundo um dos organizadores do evento, Danilo Lima (33), no domingo foi estimado a participação de 300 pessoas que também assinaram a petição impressa.

Outro membro da resistência, Carlos Antônio Alberto de Souza (41), conhecido como Zumba Rasta, relembra que já reivindicou o mesmo espaço: "Não temos outra alternativa para cultura, e nós já lutamos para registrar a rua de lazer oficialmente." e frisa a importância de eventos como esse: "Os jovens sem espaço para divulgar suas atividades não são nada".

                                                                                                            Carlos de Souza (Zumba Rasta)/Colaboração

Evento foi até 22 horas do domingo (12)

De acordo com apontamentos da Supervisão de Esportes da Subprefeitura, no Itaim Paulista cerca de 100 ruas estão registradas como lazer desde 2007. Em 2010 houve a tentativa de readequar as ruas de lazer e mudança do nome para Ruas de Brincar.

Na rua Barão de Alagoas, somente um pequeno trecho entre a Av Marechal Tito e Paschoal de Miranda foi catalogado como "Rua de Lazer", quando houve o recadastramento das áreas públicas de lazer na região em 2007. Com o novo decreto este número pode cair abaixo da metade, visto que as novas regras só permite uma distancia de 2Km entre uma rua de lazer e outra, além da renovação anual da licença de uso do solo.
 

Para assinar a petição: Manifesto pela permanência da "Rua de Lazer" na rua Barão de Alagoas 

 

 

O que já publicamos sobre o assunto:

05/06/2011 - Secretaria de Esportes reúne os coordenadores de ruas de lazer
26/08/2010 - Itaim Paulista recebe Ruas de Brincar no próximo domingo
31/08/2010 - Primeira etapa do "Ruas de Brincar" aconteceu no Jardim Bartira
31/01/2014 - Pesquisa para readequar ruas de lazer deve ficar pronto em março
11/02/2015 - Prefeitura de São Paulo divulga o novo regulamento das ruas de lazer

 

 

 

 

 

Outras Matérias

fotos/CLIPP STORE 2016
fotos/AEIP - Associação dos Empresários do Itaim Paulista

Draw My Life: Itaim Paulista
405 anos de história

Copyright © 1998-2016 CLN-Central Leste Notícias. Todos os direitos reservados.

É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização escrita da CLN